WEBTECA

Doenças

PODRIDÃO CINZENTA - Botrytis cinerea (Pers)

Sintomatologia

Sobre os tecidos atacados (folhas, caules, flores e frutos) aparece normalmente, em condições de elevada humidade, um bolor cinzento característico da Botrytis, constituído pelos conidióforos e conídios do fungo.
Nalgumas culturas, a Botrytis origina necroses nas folhas. As manchas, inicialmente, são pequenas e amarelas mas depois tornam-se mais largas, acinzentadas ou bronzeadas, fundas, coalescentes e frequentemente envolvendo a folha completamente.
Em muitos hospedeiros, contudo, a infecção ocorre somente, após o fungo ter crescido nas partes mortas da planta ou na matéria que apodrece no solo e que começa a contactar com as folhas sãs como é o caso da alface.
As infecções nos caules originam lesões alongadas escuras em depressão, com um rebordo bem definido, que podem espalhar-se e causar uma podridão mole a partir do ponto de infecção. Os tecidos infectados tornam-se moles e húmidos e, à medida que a infecção progride, estas aéreas aumentam, tornam-se acastanhadas ou castanhas escuras, esponjosas ou encortiçadas.
Sempre a partir de «bases nutritivas» ou de feridas, os ataques nos caules podem ir de pequenos cancros laterais a uma necrose, que rodeia completamente o caule.

Biologia

É sobretudo conhecido pela sua forma conidial Botrytis cinerea. Esta forma produz abundante micélio cinzento, conidióforos ramificados com cachos terminais de conídios ovóides com uma célula.
Os conídios são, rapidamente, libertados em tempo húmido e transportados por correntes de ar.
A B. cinerea é um parasita de fraqueza. Um esporo isolado só consegue penetrar nos órgãos vegetais que tenham uma cutícula muito fina (pétalas de flor). A penetração nas folhas, caules ou frutos pode ocorrer a partir de uma ferida, de uma lesão de crescimento ou de uma base nutritiva constituída por uma flor apodrecida, uma folha senescente ou uma acumulação de pólen.
A infecção dá-se depois da rebentação, em condições de humidade relativa elevada e temperaturas favoráveis (15 a 20ºC); são condições óptimas ao seu desenvolvimento o deficiente arejamento (vegetação densa).
Os ascósporos e conídios podem ser arrastados pelo vento ou levados pelos insectos, sobretudo a partir de frutos maduros atacados.

Estragos

Esta doença pode ocorrer no viveiro. Atinge o caule e as folhas podendo causar graves danos.