WEBTECA

Doenças

MONILIOSE, Monilia fructigena Pers., Monilia laxa (Aderhold & Ruhland)

O fungo hiberna sob a forma de micélio associado aos frutos mumificados ou sobre os cancros presentes nos lançamentos atacados. Durante a Primavera e início do Verão, há formação de conidióforos sobre os frutos mumificados e cancros, que vão esporular mesmo a baixas temperaturas (10ºC). A dispersão dos conídios é efectuada pelo vento, salpicos da chuva ou insectos que tenham visitado os frutos atacados.
A infecção é favorecida por temperatura e humidade elevadas e pela presença de feridas.
Nas nossas condições climáticas os sintomas mais frequentes e caracetristicos ocorrem nos frutos, em duas épocas diferenciadas do seu crescimento. À primeira queda fisiológica dos frutos, que embora mumificados não exteriorizam a infecção, e durante o processo de maturação. Nesta fase surgem manchas de cor acastanhada com margens regulares, de rápido crescimento, concentradas em redor de feridas e, se ocorre intervenção de outro agente patogénico, os frutos apodrecem. De outro modo, o fruto desidrata, mumifica e enegrece.
Sendo uma doença de conservação, evolui nas câmaras frigorificas, tendo a capacidade de dissolver a cutícula das células e infectar os frutos adjacentes.