PRODUTOS
Outros Produtos SAPEC
Visualizar Ficha Técnica CLP
Ficha de Segurança CLP
Tabela de Compatibilidades

LMR
Consultório Online
Mais informação
PRODUTOS

O KSAR® é um fungicida com mobilidade translaminar, atividade preventiva, curativa (fungos que se desenvolvem na superfície dos tecidos) e anti-esporulante. Pertence ao grupo químico das estrobilurinas (QoI – Quinone outside Inhibitors), atua ao nível da respiração mitocondrial dos fungos, bloqueia o transporte de eletrões no complexo III (citocromo bc1). É classificado como pertencente ao Grupo 11 do Fungicide Resistance Action Committee (FRAC).

Fungicida indicado para o controlo de Pedrado e Estenfiliose em Pereira, Pedrado e Oídio em Macieira, Oídio e Black-Rot em Videira e Olho-de-pavão em Oliveira.

Tipo de Produto: Fungicidas
Formulação: Grânulos dispersíveis em água (WG) com 500 g/kg ou 50% (p/p) de cresoxime-metilo
Número APV/AV: AV 1509

Embalagens:
. 200 g
. 1 kg

ATENÇÃO

A consulta do site não dispensa a leitura atenta do rótulo

Época e condições de aplicação

problema dose/conc. observações
MACIEIRA
Oídio
20g/hL (máximo: 0.2 Kg/ha)

Realizar as aplicações preventivamente até ao fim do crescimento dos rebentos. A persistência biológica é de 10 a 14 dias devendo utilizar o intervalo de 10-12 dias no período de maior crescimento ativo e em condições de maior pressão da doença.
A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em macieira, por campanha e no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos QoI.

MACIEIRA
Pedrado (Venturia inaequallis)
20g/hL (máximo: 0.2 Kg/ha)

Seguir as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência, iniciar os tratamentos às primeiras contaminações. Os tratamentos seguintes deverão ser realizados enquanto as condições climáticas favorecerem a doença.
A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em macieira e marmeleiro, por campanha e no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos QoI.

MARMELEIRO
Oídio
20g/hL (máximo: 0.2 Kg/ha)

Realizar as aplicações preventivamente até ao fim do crescimento dos rebentos. A persistência biológica é de 10 a 14 dias devendo utilizar o intervalo de 10-12 dias no período de maior crescimento ativo e em condições de maior pressão da doença.
A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em macieira, por campanha e no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos QoI.

MARMELEIRO
Pedrado (Venturia inaequallis)
20g/hL (máximo: 0.2 Kg/ha)

Seguir as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência, iniciar os tratamentos às primeiras contaminações. Os tratamentos seguintes deverão ser realizados enquanto as condições climáticas favorecerem a doença.
A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em macieira e marmeleiro, por campanha e no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos QoI.

OLIVEIRA
Olho-de-pavão
20g/hL ou 0.2 Kg/ha

Realizar os tratamentos de acordo com as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Tratar preventivamente na Primavera com tempo fresco e chuvoso.
No Outono optar por fungicidas que protejam simultaneamente os frutos da gafa e do olho de pavão, de forma a evitar a realização de tratamentos desnecessários.
Realizar no máximo 2 aplicação com este produto ou outro fungicida do grupo dos QoI, não devendo exceder metade do número total de tratamentos fungicidas na cultura da oliveira.

PEREIRA
Estenfiliose
20g/hL (máximo: 0.2 kg/ha)

Realizar os tratamentos preventivamente. Proteger a cultura desde a queda das pétalas até à maturação dos frutos, se as condições forem favoráveis à doença.
A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em pereira, por campanha e no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos QoI.

PEREIRA
Pedrado (Venturia pyrina)
20g/hL (máximo: 0.2 Kg/ha)

Seguir as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Na sua ausência, iniciar os tratamentos às primeiras contaminações. Os tratamentos seguintes deverão ser realizados enquanto as condições climáticas favorecerem a doença. 
A persistência biológica do produto é de 10 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em pereira, por campanha e no conjunto das doenças, com este ou outro fungicida do grupo dos QoI.

VIDEIRA
Black-rot
25-30g/hL (máximo: 0.30 Kg/ha)

Utilizar o produto numa estratégia de proteção conjunta oídio e podridão negra. Em condições favoráveis à doença proteger a cultura desde os cachos visíveis até ao fecho dos cachos. A persistência biológica do produto é de 12 a 14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em videira, por campanha e no conjunto das doenças, com este produto ou outro fungicida do grupo dos QoI.

VIDEIRA
Oídio
25-30g/hL (máximo: 0.30 Kg/ha)

Seguir as indicações do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Realizar os tratamentos preventivamente desde os cachos visíveis até ao fecho dos cachos. A persistência biológica do produto é de 12-14 dias.
Para evitar o desenvolvimento de resistências, realizar no máximo 3 tratamentos, em videira, por campanha e no conjunto das doenças, com este produto ou outro fungicida do grupo dos QoI


Modo de Aplicação

Calibrar correctamente o equipamento, para o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distância entrelinhas) com especial cuidado na uniformidade da distribuição da calda.
A quantidade de produto e o volume de calda devem ser adequados à área de aplicação, respeitando as concentrações/doses indicadas.
Nas fases iniciais de desenvolvimento das culturas aplicar a calda à concentração indicada. Em pleno desenvolvimento vegetativo, adicionar a quantidade de produto proporcionalmente ao volume de água distribuído por ha, pelo pulverizador, de forma a respeitar a dose.

Volume de calda: Pereira, Macieira, Marmeleiro e Oliveira: 800-1000 L/ha; Videira: 300-1000 L/ha.

Modo de Preparação

Na preparação da calda deitar metade do volume de água adequado para a pulverização prevista. Deitar a quantidade de produto necessária e completar o volume de água pretendido, assegurando agitação continua.

Intervalo de Segurança

35 dias em pereira, macieira, marmeleiro e videira.
Em oliveira usar apenas em tratamentos de Primavera.

Precauções Biológicas

Para evitar o desenvolvimento de resistências, em macieira, pereira, marmeleiro e videira não aplicar este produto, ou qualquer outro que o contenha QoI, mais de 3 vezes por campanha e no conjunto das doenças visadas.
Na Oliveira não aplicar mais de 2 vezes por ano, não devendo exceder metade do número total de
tratamentos fungicidas.
Evitar o uso repetido de produtos deste grupo (QoI). Alternar o uso com fungicidas com modos de ação diferentes.
Realizar as aplicações preventivamente.
Aplicar as doses recomendadas.

Precauções toxicológicas, ecotoxicológicas e ambientais

EUH210 - Ficha de segurança fornecida a pedido.
H351 - Suspeito de provocar cancro.
H410 - Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
P202 - Não manuseie o produto antes de ter lido e percebido todas as precauções de segurança.
P270 - Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
P280 - Usar luvas de proteção e vestuário de proteção.
P308+P313 - Em caso de exposição ou suspeita de exposição: consulte um médico.
P391 - Recolher o produto derramado.
P405 – Armazenar em local fechado à chave.
P501 - Eliminar o conteúdo e a embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
SP1 - Não poluir a água com este produto ou com a sua embalagem. Não limpar o equipamento de aplicação perto de águas de superfície. Evitar contaminações pelos sistemas de evacuação de águas das explorações agrícolas e estradas.
SP3 - Para proteção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 15 metros em relação às águas de superfície, em macieira e pereira e uma zona não pulverizada de 10 metros em relação às águas de superfície, em videira e oliveira. Em alternativa, utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos, 75% de redução no arrastamento da calda pulverizada durante a aplicação do produto.
SPoPT2 - Na entrada dos trabalhadores às zonas tratadas, estes deverão usar: luvas, camisa de mangas compridas, calças, meias e botas.
SPoPT4 - O aplicador deverá usar: luvas, vestuário de proteção adequado durante a preparação da calda e aplicação do produto.
SPoPT5 - Impedir o acesso de trabalhadores e pessoas estranhas às zonas tratadas até à secagem do pulverizado.
SPoPT6 - Após o tratamento lavar bem o material de proteção, tendo cuidado especial em lavar as luvas por dentro.
SPPT1 - A embalagem vazia deverá ser lavada três vezes, fechada, inutilizada e colocada em sacos de recolha, devendo estes ser entregues num ponto de retoma autorizado; as águas de lavagem deverão ser usadas na preparação da calda.

ARMAZENAMENTO: Manter em local seco, ventilado e protegido dos raios solares.

Em caso de intoxicação, contactar o Centro de Informação Antivenenos (CIAV), telef: 800 250 250.

Marca Registada

ASCENZA AGRO, S.A.

Nota

Os resultados da aplicação deste produto são suscetíveis de variar pela ação de fatores que estão fora do nosso domínio, pelo que apenas nos responsabilizamos pelas características previstas na Lei.