PRODUTOS
Outros Produtos SAPEC
Visualizar Ficha Técnica CLP
Ficha de Segurança CLP
Tabela de Compatibilidades

LMR
Consultório Online
Mais informação
PRODUTOS



FUEGO SAPEC® é um herbicida residual de contacto de pré e pós-emergência para o controlo de infestantes anuais monocotiledóneas e dicotiledóneas no estado 2-3 folhas.

Tipo de Produto: Herbicidas
Formulação: Concentrado para emulsão com 240 g/L ou 22,3% (p/p) de oxifluorfena Contêm: nafta de petróleo (petróleo) aromática pesada
Família Química: difeniléter
Número APV/AV: 3885

Embalagens:
. 1 L
. 5 L
. 20 L

PERIGO

A consulta do site não dispensa a leitura atenta do rótulo

Época e condições de aplicação

problema dose/conc. observações
CEREJEIRA BRAVA
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar em pré ou pós-plantação (nos 7 dias após a plantação) com a aplicação dirigida ao solo. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno. 

CITRINOS
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar a partir do 1º ano de plantação no fim do Outono ou da Primavera em aplicações dirigidas ao solo, sem atingir as partes verdes das culturas. Não aplicar na época de crescimento activo das culturas. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno.

EUCALIPTO
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar em pré ou pós-plantação (nos 7 dias após a plantação) com a aplicação dirigida ao solo. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno. 

MACIEIRA
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar a partir do 2º ano de plantação. Só pode ser aplicado durante o repouso vegetativo ou após o vingamento dos frutos (nunca antes de Maio). A aplicação deve ser dirigida ao solo, de modo a não atingir as partes verdes das culturas. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno.

OLIVEIRA
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar a partir do 1º ano de plantação no fim do Outono ou da Primavera em aplicações dirigidas ao solo, sem atingir as partes verdes das culturas. Não aplicar na época de crescimento activo das culturas. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno.

PEREIRA
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar a partir do 2º ano de plantação. Só pode ser aplicado durante o repouso vegetativo ou após o vingamento dos frutos (nunca antes de Maio). A aplicação deve ser dirigida ao solo, de modo a não atingir as partes verdes das culturas. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno.

PESSEGUEIRO
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar a partir do 2º ano de plantação. Só pode ser aplicado durante o repouso vegetativo ou após o vingamento dos frutos (nunca antes de Maio). A aplicação deve ser dirigida ao solo, de modo a não atingir as partes verdes das culturas. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno.

PINHEIRO BRAVO
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar em pré ou pós-plantação (nos 7 dias após a plantação) com a aplicação dirigida ao solo. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno. 

PINHEIRO MANSO
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar em pré ou pós-plantação (nos 7 dias após a plantação) com a aplicação dirigida ao solo. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno. 

VIDEIRA
Infestantes
0.6L/ha

Aplicar a partir do 3º ano de plantação e durante o repouso vegetativo, até cerca de 1 mês antes da rebentação. Aplicar em bandas ocupando 1/3 do terreno.


Infestantes Susceptíveis

Dicotiledóneas: aranhões (Illecebrum verticillatum), beldroega (Portulaca oleracea), bem-me-quer (Leucanthemum sylvaticum), bolsa-de-pastor (Capsella rubella), bredos (Amaranthus spp.), catassol (Chenopodium album), Coronopus didymus, erva-dos-moínhos (Logfia gallica), erva-moira (Solanum nigrum), erva-moleirinha (Fumaria officinalis), erva-pata (Oxalis pescaprae), erva-vaqueira (Calendula arvensis), ervilhacas (Vicia spp.), fidalguinhos (Centaurea cyanus), Gnafa-cinzenta (Gnaphalium uliginosum), grizanda (Diplotaxis catholica), labaça-obtusa (Rumex obtusifolius), lâmio (Lamium amplexicaule), Leontodon hispidus, luzernas (Medicago spp.), maleiteira (Euphorbia helioscopia), malvas (Malva spp.), margação (Anthemis arvensis), Matricaria spp., morrião (Anagallis arvensis), mostarda-dos-campos (Sinapis arvensis), nariz-de-zorra (Silene gallica), pão-posto (Anacyclus radiatus), papoila-das-searas (Papaver rhoeas), Polygonum spp., raspa-saias (Picris echioides), rinchão (Sisymbrium officinale), saramago (Raphanus raphanistrum), serralha-áspera (Sonchus asper), serralha-macia (Sonchus oleraceus), soagem (Echium plantagineum), tasneirinha (Senecium vulgaris), urtigas (Urtica spp.), urtiga-morta (Mercurialis annua), verónicas (Veronica spp.) e violetas (Viola spp.).
Monocotiledóneas: azevéns (Lolium spp.), balancos (Avena spp.), cabelo-de-cão (Poa annua), milhãs (Digitaria spp. e  Setaria spp.), milhã pé-de-galo (Echinochloa crus-galli) e rabos-de-raposa (Alopecurus spp.).

INFESTANTES MODERADAMENTE SUSCETÍVEIS
Avoadinha (Conysa canadensis) e morugem-branca (Stellaria media).

Infestantes Resistentes

Alho-das-vinhas (Allium vineale), corriola (Convolvulus arvensis), grama (Cynodon dactylon), junça (Cyperus rotundus), lepídios  (Lepidium spp.) e sorgo-bravo (Sorghum halepense).

Modo de Aplicação

Calibrar o pulverizador, calculando o volume de calda a utilizar por hectare, de modo a assegurar a distribuição uniforme da calda. A quantidade de produto e o volume de calda devem ser calculados em função da área a aplicar. Para diminuir o risco de arrastamento evitar pressões superiores a 2 Kg/cm2 e o uso de atomizadores.
Volume de calda a utilizar: 200-600 L/ha.

Após o tratamento e depois de prévia remoção dos bicos e dos filtros que devem ser lavados separadamente, lavar o material de aplicação várias vezes com água e detergente.

Modo de Preparação

No recipiente onde se prepara a calda, deitar metade da água necessária. Juntar a quantidade de produto a utilizar e completar o volume de água, agitando sempre.

Precauções Biológicas

. Não aplicar FUEGO SAPEC® em culturas que não se encontrem em perfeito estado de desenvolvimento vegetativo.
. Não aplicar em estufas ou túneis.
. No momento da aplicação o terreno deve estar bem preparado e com alguma humidade.
. Aplicar as doses mais altas em solos ricos em matéria orgânica.
. Não mobilizar o solo após a aplicação.
. No caso da aplicação em pré-plantação mobilizar o solo o mínimo possível.
. Não atingir os terrenos e culturas vizinhas da área a tratar.
. Em culturas perenes utilizar sempre campânula de proteção e baixa pressão em tratamentos dirigidos ao solo.
. Não aplicar em solos sujeitos a encharcamento.

Precauções toxicológicas, ecotoxicológicas e ambientais

H304 - Pode ser mortal por ingestão e penetração nas vias respiratórias.
H315 - Provoca irritação cutânea.
H317 - Pode provocar uma reação alérgica cutânea.
H319 - Provoca irritação ocular grave.
H410 - Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
P261 - Evitar respirar a nuvem de pulverização.
P270 - Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
P280 - Usar luvas de proteção durante a preparação e aplicação do produto.
P301+P310 - EM CASO DE INGESTÃO: contate imediatamente o CENTRO DE INFORMAÇÃO ANTIVENENOS ou um médico.
P302+P352 - SE ENTRAR EM CONTATO COM A PELE: lavar com sabonete e água abundantes.
P305+P351+P338 - SE ENTRAR EM CONTATO COM OS OLHOS: enxaguar cuidadosamente com água durante vários minutos. Se usar lentes de contacto, retire-as, se tal lhe for possível. Continuar a enxaguar.
P331 - NÃO provocar o vómito.
P501 - Eliminar o conteúdo/embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
EUH210 - Ficha de segurança fornecida a pedido.
SP1 - Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
SPe3a - Para proteção dos organismos aquáticos, não aplicar em terrenos agrícolas adjacentes a águas de superfície.
SPoPT1 - Após o tratamento lavar cuidadosamente o material de proteção e os objetos contaminados, tendo o cuidado especial em lavar as luvas por dentro.
SPPT1 - A embalagem vazia deverá ser lavada três vezes, fechada, inutilizada e colocada em sacos de recolha, devendo estes serem entregues num centro de receção autorizado Valorfito; as águas de lavagem deverão ser usadas na preparação da calda.

Em caso de intoxicação contacte o Centro de Informação Antivenenos (CIAV), telefone nº 800 250 250

Marca Registada

ASCENZA AGRO, S.A.

Nota

Os resultados da aplicação deste produto são suscetíveis de variar pela ação de fatores que estão fora do nosso domínio, pelo que apenas nos responsabilizamos pelas características previstas na Lei.