« voltar para:

ALERTA
Alertas de outras culturas
Informações Adicionais
Consultório Online
Mais informação
ALERTAS

VIDEIRA

Recomendações SAPEC para VIDEIRA

A consulta do site não dispensa a leitura atenta do rótulo

Aplicação de Montana (5 L/ha), Fuji (6-8 L/ha), Glitz Super (5 L/ha), Fuego Sapec (2-4 L/ha) ou Kapital Trio (5 L/ha) para o controlo de infestantes anuais. Todos os herbicidas atrás referidos são sistémicos e/ou residuais. Consulte a Ficha Técnica de cada produto referido de forma a fazer a escolha mais adequada para a sua situação.

No caso de se ter detectado a presença de cochonilha algodão durante a campanha anterior, efectuar um tratamento localizado com Fitanol e Ciclone 48 EC (150-200 mL/hL).

Repouso vegetativo

Aplicação de Montana (2-3 L/ha) para o controlo de infestantes anuais. Deve haver especial atenção para não atingir as partes verdes da vinha em desenvolvimento.

Caso as principais infestantes da vinha sejam essencialmente gramíneas anuais e vivazes proceder à aplicação de Campus Top (2 a 3 L/ha).

Uma vez que estamos num período propício às infecções provocadas pela escoriose, recomenda-se a aplicação de Maestro F (300 g/hL) ou Maestro M (400 g/hL) para o seu controlo.
O controlo desta doença só é feito, eficazmente, ao início do ciclo vegetativo da videira, ou seja, do entumescimento dos gomos às 2 primeiras folhas expandidas, pelo que é importante não perder esta janela de aplicação quando se torna necessário actuar sobre a doença.

Caso se tenham verificado ataques de ácaros no ano anterior, aplicar Tenor (50 g/hL) ou Boreal (100 mL/hL) logo que se observem as primeiras formas móveis.

Nesta fase de intenso crescimento vegetativo, em que nem sempre se verifica disponibilidade imediata das reservas, fornecer um suplemento nutritivo à planta com Folur (2-3 L/ha).

Saída das folhas

Aplicação de Maestro F (300 g/hL) ou Maestro M (400 g/hL) para o controlo da escoriose.

Folhas livres

Caso se verifiquem condições favoráveis à ocorrência de infecções primárias de míldio (oósporos maduros, precipitação de 10mm em 48h e temperatura superior a 10ºC) aplicar, preventivamente, Maestro F WG Advance (300 g/hL), Vitipec WG Advance (150g/hL), Vitipec Azul (200 g/hL) ou Vitipec Gold WG Advance (300 g/hL).

Aplicação preventiva de Bago de Ouro (15 Kg/ha), Stulln WG Advance (400-1250 g/hL) para o controlo dos primeiros focos de oídio.

Para estimular a floração/vingamento aplicar alternadamente Fitovitis (2-3 Kg/ha) e Fitoalgas Green (3-4 L/ha).

Cachos visíveis

Aplicação de Vitipec WG Advance (150 g/hL),
Vitipec Azul (200 g/hL) ou Vitipec Gold Sapec (300 g/hL) para o controlo do míldio.

Nesta fase de um crescimento vegetativo já assinalével, em que a planta está particularmente susceptível ao oídio, recomenda-se a aplicação de um anti-oídio sistémico Enigma (40 mL/hL) ou Douro (35 mL/hL).

Para o controlo da 1ª geração da traça-da-uva, caso se atinja o NEA, recomenda-se a aplicação de Judo (175 mL/ha), Delstar (60 mL/hL) ou Steward (12,5 g/hL).

Para estimular a floração/vingamento proceder a adubação foliar com Fitoalgas (2-2,5 L/ha) e Fitoleader (3-5 L/ha).
Nos casos de carência de Boro, aplicar Tradebor (1-1,5 L/ha).

Botões florais separados

Fase de elevado crescimento vegetativo e elevada susceptibilidade da planta, associada, normalmente, a condições climatéricas favoráveis à ocorrência de ataques de míldio: recomenda-se a aplicação de um anti-míldio sistémico, nomeadamente Ekyp Combi Azul (200 g/hL), Ekyp Combi (200 g/hL) ou Ekyp Trio Azul (250 g/hL).
A escolha deverá passar do Ekyp Combi para o Ekyp Trio Azul sempre que a pressão da doença seja muito elevada e a vinha tenha estado sem tratamento durante fases propícias à doença.

Para o controlo do oídio aplicar Bago de Ouro (25-50 Kg/ha), que pela acção de vapor e libertação de calor proporciona melhores condições para uma boa floração.

Para que o processo de floração/vingamento ocorra de uma forma equilibrada, recomenda-se a aplicação de Fitoalgas (2-2,5 l/ha), que fornece simultâneamente fitohormonas naturais (promotores do vingamento), factores anti-stress e aminoácidos.

Floração

Fase de elevado crescimento vegetativo e elevada susceptibilidade da planta, associada, normalmente, a condições climatéricas favoráveis à ocorrência de ataques de míldio: recomenda-se a aplicação de um anti-míldio sistémico, nomeadamente Ekyp Combi Azul (200 g/hL), Ekyp Combi (200 g/hL) ou Ekyp Trio Azul (250 g/hL).

Para o controlo do oídio aplicar Enigma (40 mL/hL) ou Douro (35 mL/hL).

Para o controlo da Podridão Cinzenta e tendo em consideração que a queda da caliptra origina pequenas feridas, as quais são importantes portas de entrada para a doença, é conveniente proceder à aplicação de Magic (1,5 L/ha) tendo o cuidado de molhar bem toda a vegetação, especialmente o cacho.

Para o controlo da 2ª geração da traça-da-uva recomenda-se a aplicação de Delstar (60 mL/hL) ou Judo (175 mL/ha).
Caso esta 2ª geração de traça-da-uva coincida com a 1ª geração de cigarrinha verde, aplicar Steward (12,5 g/hL).

Adubação Foliar com Fitoleader (3-5 L/ha), de forma a sustentar as elevadas necessidades nutritivas da planta que sucedem ao vingamento.

Alimpa

Passando a fase da floração / alimpa os crescimentos são, em regra, menos exuberantes e por conseguinte não serão tão importantes os tratamentos com produtos sistémicos. Assim, é possível voltar aos produtos penetrantes, procedendo à aplicação de Vitipec Azul (200 g/hL) ou Vitipec WG Advance (150 g/hL) para o controlo do míldio.

Aplicação de Enigma (40 mL/hL) ou Douro (35 mL/hL) para o controlo do oídio.

Para o controlo da 2ª geração da traça-da-uva recomenda-se a aplicação de Delstar (60 mL/hL) ou Judo (175 mL/ha).

Para o controlo simultâneo da 2ª Geração da traça-da-uva e de cigarrinha verde, aplicar Steward (12,5 g/hL). Caso haja necessidade de controlar o cicadelídeo transmissor da flavescência dourada (Scaphoideus titanus) proceder à aplicação de Corsário (350 mL/ha), tendo o cuidado de molhar bem toda a vegetação. Caso se tenham verificado ataques de ácaros no ano anterior, aplicar Tenor (50 g/hL) ou Boreal (100 mL/hL) logo que se observem as primeiras formas móveis. Se se justificar, aplicar Ciclone 48 EC (150 mL/hL) para o controlo das cochonilhas.

Para aumentar o teor de açucar nos bagos (grau alcool provável no mosto), à colheita aplicar Fainal K (2-3 l/ha) e/ou Fortan (2,5-3,5 Kg/ha).

Bago de ervilha

Após o fecho dos cachos iniciar a utilização do cobre, sob a forma de oxicloreto: Cuprital (3 a 6 kg/ha), Cuprital SC (300 mL/hL) ou hidróxido: Kados (300 g/hL).
Caso o míldio esteja “mais agressivo” ou as condições climatéricas sejam mais propícias à doença, nomeadamente pela queda de chuva ou ocorrência de trovoadas, há que recorrer a produtos que tenham, além do cobre, uma acção penetrante, como o Vitipec C (300 g/hL) e o Vitipec C WG Advance (300 g/hL).
As vantagens do cobre são sobejamente conhecidas, mas não podemos deixar de referir a sua acção indireta sobre diversas pragas e doenças, pelo endurecimento da película e também no contributo positivo para o atempamento dos bagos.

O fendilhamento dos bagos originado pelo oídio ou pela compressão dos bagos no interior dos cachos, a par com os estragos causados pela traça e possíveis feridas causadas pela queda de granizo constituem, importantes portas de entrada para a Podridão Cinzenta, razão pela qual se recomenda a aplicação de Magic (1,5 L/ha).

Para o controlo da 3ª geração da traça-da-uva recomenda-se a aplicação de Judo (175 mL/ha) ou Delstar (60 mL/hL).
Para o controlo da 3ª geração da traça-da-uva e cigarrinha verde aplicar Steward (12,5 g/hL).
Para o controlo do (Scaphoideus titanus) (Flavescência Dourada) proceder à aplicação de Corsário (350 mLha).
Caso se tenham verificado ataques de ácaros no ano anterior, aplicar Tenor (50 g/hL) ou Boreal (100 mL/hL) logo que se observem as primeiras formas móveis.

Para aumentar a transformação de ácidos em açucares, aplicar Fainal K (2-3 l/ha) e/ou Fortan (2,5-3,5 Kg/ha).

Fecho dos cachos

Aplicação de Cuprital (3 a 6 kg/ha), Cuprita SC (300 mL/hL), Kados (300 g/hL), Vitipec C (300 g/hL) ou Vitipec C WG Advance (300 g/hL) para o controlo do míldio tardio promovendo, simultaneamente, um bom atempamento das varas e endurecimento da epiderme dos bagos.

Para o controlo da 3ª geração da traça-da-uva recomenda-se a aplicação de Judo (175 mL/ha) ou Delstar (60 mL/hL).
Para o controlo da 3ª geração da traça-da-uva e ataques iniciais de cigarrinha verde aplicar Steward (12,5 g/hL).
Para o controlo do (Scaphoideus titanus) (Flavescência Dourada) proceder à aplicação de Corsário (350 mL/ha).
Para o controlo da Mosca do Mediterrâneo e / ou Piral, proceder à aplicação de Judo (125 mL/ha).
Caso se tenham verificado ataques de ácaros no ano anterior, aplicar Tenor (50 g/hL) ou Boreal (100 mL/hL) logo que se observem as primeiras formas móveis.

Adubação foliar com Fainal K (2-3 l/ha) e/ou Fortan (2,5-3,5 Kg/ha). Para aumentar o teor de açucar nos bagos (grau alcool provável no mosto), aplicar Fainal K (2-3 l/ha) e/ou Fortan (2,5-3,5 Kg/ha). Para aumentar a cor em castas tintas, aplicar Fitoalgas (2-2,5 l/ha).

Pintor
Sempre que possível, as recomendações acima efectuadas, devem ser acompanhadas por um técnico atendendo às indicações do Serviço de Avisos.